Desaforismos (#2)

Após um longo e tenebroso inferno sem escrever merda alguma, hoje volto a escrever pra falar dum tema que mexe com qualquer sensibilidade: cocô.

O bom de escrever sobre merda é que não tem problema se você fizer alguma cagada. Piada de peido, por exemplo, funciona mesmo se você cagar tudo.

Um dia ouvi falar dum estudo de Psicologia que indicava que a maioria das pessoas olha pro cocô antes de dar descarga.

(Parênteses: só a psicologia pra ligar pra essas merdas)

Saber disso deu um gás (!) na minha autoestima. Quando eu me sinto mal por gastar mais do que devia ou porque cometi algum erro, lembro que as pessoas se importam com cada merda que já fico melhor.

Chafurdando mais ainda na psicologia, acho mesmo que ir ao banheiro faz bem pro ego, além do intestino. Um lugar onde você se esforça ao máximo pra produzir algo e no fim fica uma merda? Decerto te ajuda a ver o mundo com outros olhos.

Igualmente bem eu me sinto quando fico com uma caganeira daquelas da ONU discutir por meses se não é o caso de intervir. Ao contrário do turbilhão intestinal que me causa nos Países Baixos, a diarreia tranquiliza a consciência. Não importa o que aconteça, eu estou cagando pra tudo.

Mesmo com todas a restrições que criamos – não se caga mais ao ar livre hoje, a menos que você seja o roteirista da Glória Perez -, o ato de defecar ainda pode ser algo libertário. Eu mesmo sempre me sinto transgressor quando mando um barro em banheiro de shopping. É como se eu fosse um Vingador Tóxico. O Black Bloc que nem o Black Bloc teve coragem de meter a mão na massa pra ser.

Tenho a impressão de que ficou um a merda este texto, mas isso qualquer um pode ver.

Anúncios

Desaforismos (trintão!)

Fiz 30 anos ontem. Estão erradas as mulheres: o melhor é mentir a idade 10 anos pra cima. Fiz isso e só ouvi elogios, do naipe de “você parece mais jovem”.

Bobagem esse negócio de que fazer mil coisas ao mesmo tempo distrai a gente. Eu por exemplo 1: veja quantos quadrados você consegue identificar neste desenho.

Muçum-manos, pelo Corãozis e com Mao-Mé.

Marta Suplicy nega rumor de que Ministério do Turismo foi só uma distração, nega que Dilma tenha prometido um iPhone novo pra ela apoiar Haddad.

Com Marta no Turismo, diminui ainda mais o horizonte de mulheres pra Dilma indicar pro governo. Em breve, ela chama o Laerte.

Não vejo como podemos discutir chacina da Rota e atentados na Líbia. HOJE SAIU IPHONE NOVO

O eleitor se identifica: era tão alto o índice de rejeição daquele candidato que ele conseguiu se eleger só com os votos das vítimas de bullying.

Tenho de pôr a mão no fogo pelo meu proctologista. Ele sempre arregaçou as mangas por mim quando eu precisei de uma força.

Tenho um amigo vendendo um celular top de linha, novo, por R$ 60, e ninguém compra. Percebo aí um certo preconceito com proctologistas que usam smartphone touch.

Esnobices 3.0: “Quem nasceu pra Google+ nunca chega a Facebook”.

O maior problema do Mal de Alzheimer é

Desaforismos – especial América Latrina, um sonho! – esmagado

Inspirado na democracia do Paraguai, que enguiçou, ideias pra apps apropriados pra regimes de engorda de restrições:

1984, uma visão otimista de onde chegamos e como vivemos hoje. Oh, rwell.

Coup d’etapp, aplicativo que localiza o próximo país a sofrer abalos constitucionais-jurídicos. Bloqueado na América do Norte.

Song Cop, playlist de músicas que é febre em Guantânamo. Antes do que você imagina, num cubículo adjunto ao seu.

Dictagram, site pra fotos de países cujo regime é mais apertado que maconha em show de reggae. Comentários indefinidamente desabilitados.

Facecoup, rede social pra turma toda que vive cada dia de liberdade como se não houvesse, amanhã. Previsão de abertura de ações: você primeiro.

Twiterror, microblog para os sem-caráter se expressarem em poucos caracteres.

FourLifeSquare, para saber quem mais passou pelos mesmos países opressores que você. Função de prefeito (mayor) desabilitada.

Picket-in, sistema de cadastro de fichas corridas de dissidentes de regimes pelo mundo. Negocie transferências de presos aqui!

Gulag de Andrade, programa de jornalismo investigativo pra mostrar pra quem tiver marcando que é sempre bom combinar com os russos.

Ainda não inventaram regime mais eficaz pra emagrecer que o regime totalitário.

Desaforismos (back from the dead!)

Depois de “inteligência militar”, eis as novas contradições em termos:
– mídias sociais
– crítica construtiva
– ideologia partidária
– convivência pacífica
– vou morrer sem desistir
– decoro parlamentar

Tive uma grande ideia: vou esquecer todas as minhas grandes ideias.

Professora é vítima de sequestro-relâmpago em SP, teme que bandidos não tenham aprendido a lição.

Chiquinha, ex-Chaves, se aposenta. “Pois é, pois é, pois é”, disse, aos prantos.

TÁ COM DESEJO ELEITORAL, ERUNDA, MAS NÃO MARTA.

Autossabotagem é comprar carro grande com motor 1.0.

Hoje, resistência é ficar firme no “não” quando a moça do telemarketing insiste em querer empurrar algum produto.
Nossas lutas já foram mais nobres.

“O que esperar quando você está esperando”. É livro de autoajuda, mas podia ser um guia de sobrevivência ao telemarketing.

Guantanamo nega que submeta seus presos a 6 horas diárias de reprises de reality shows.

Saldo da guerra jornalismo versus bichos fofinhos: os animais estão vencendo.

Certas leis são irrevogáveis. Você não pode, por exemplo, querer estar certo e ser fã de Nicolas Cage.

Futuramente, tará lá na Bíblia: Davi foi o hacker que deletou o perfil do troll Golias.*

Curiosamente, “negócio da China” e “por um precinho camarada” teriam significados totalmente negativos na China e na falecida URSS.

Não deixa de ser irônico: a maioria dos envolvidos nos movimentos “Occupy alguma coisa” anda sem ocupação.

Em Atenas, o euro é o verdadeiro beijo grego.

Toda conferência sobre o clima acaba assim: o tempo fecha, e nunca tem clima pra chegar a um acordo.

Mas peralá, é descriminalizar o aborto que é inconcebível? Ora…

(*gracias a Leo dos Anjos, copidesque)

Desaforismos (10)

Quando a campanha pelo fim das sacolinhas chegar à igreja, aí sim eu acredito em evolução.

Todo leite pode ser longa vida. Só o leite Star Trek™ pode ser vida longa e próspera.

A única constante nessa vida é a mudança. É autoajuda, mas poderia ser o slogan da Granero.

O inconsciente é aquele estagiário que todos nós carregamos no nosso interior: se o ouvirmos, fazemos merda, e botamos a culpa de tudo nele.

Certas empresas têm assessores que mais parecem formados em Relações Inimigas.

Eunuco é o povo mais impaciente do mundo: não tem saco pra porra nenhuma.

Ainda tem gente que acredita na existência de vida inteligente DENTRO da Terra? Céus

(editado: troquei o Star Wars por Star Trek mais cedo. Já arrumei ali em cima e demiti o estagiário que cuidava da revisão)

Desaforismos (9)

Ditado do corruptor: em política, a melhor defesa é o achaque.

Não é verdade que o papel aceita tudo. Eu nunca achei um que topasse trabalhar no meu lugar.

Por força do hábito, a marcha preferida do proctologista é a ré.

O gif é um jpeg que não teve competência pra virar vídeo.

Onanismo é uma coisa, o nanismo é outra. Se pra você não há diferença, fuja de quem disser que precisa da sua ajuda com um problema de crescimento.

O cúmulo da velocidade no ato de demonstrar afeto e agradecimento na pós-modernidade: FLWVLW.

The ebook is on the tablet. Até aprender o básico do inglês vai mudar no futuro.

Nada de tolerância: sou a favor de proibirem ainda mais drogas. Quero meu filho livre de um mundo de música pop ruim e reality shows.